Placa de agradecimento.

Placa de agradecimento.

        Uma noite memorável que nunca sairá de nossas lembranças

 

Ainda flutuando em nuvens, com a alegria estampada no rosto e na alma de poeta, quero carinhosamente agradecer a todos os envolvidos no lançamento da II Antologia Liberdade dos Poetas.

Fortes emoções fizeram parte da magia do lançamento, emoções vistas por olhos lacrimejantes, por palavras trêmulas que teimavam não sair de nossas bocas; na alegria dos jovens poetas que entram na história literária através desta publicação; nas surpresas das homenagens póstumas que recordaram os que partiram e foram importantes na história de nossas vidas, na música orquestrada magnificamente por jovens talentos, e no talento poético das declamações.

Uma noite que jovens declamaram o amor, saudades, crescimento, as estações do ano, até mesmo a alegria de ser sapequinha.

Hoje vejo que sou uma pessoa abençoada por Deus, não só pelo dom da escrita, mas pelos amigos que tenho na vida; pela oportunidade que Ele me deu em ver a alegria estampada nos rostos de nossa futura geração, e principalmente pela oportunidade de ser o padrinho de um projeto literário como este.

As palavras podem me faltar para agradecer a todos, mas agradeço a Deus por dar-me a escrita lúdica da poesia, e com ela abraço a todos pelo carinho que recebi.

Recebam meu muito Obrigado.

Leandro Campos Alves

10 de Dezembro de 2016.

Leia mais: http://www.escritor-leandro-campos-alves.com/products/placa-de-agradecimento/

Desilusão Contextual.

00

Hoje não sinto mais prazer,

perdi minha inocência,

minha crença,

minha própria consciência.

 

Crer nas pessoas cegamente é errado,

mas quem poderia ver que em um Homem,

existiria sonhos e esperança,

e a inocência pura de criança?

 

Pena que tardio aprendi,

vi minha vida sendo invadida,

persuadida, corrompida.

 

Amigos? …

 

Amigos? …

 

Palavra que simplesmente caem

diante de desejos alheios.

Ideologia que fere, magoa, destroem sonhos.

 

Vi meus trabalhos sendo invadidos,

corrompidos.

 

E por interesses alheios à minha vontade,

destruíram meus sonhos, minha história.

Hostilizaram meu trabalho sem permissão.

 

Esta invasão é uma ideologia negra,

pobre, devastadora.

Que está incrustada em nossa sociedade,

e destroem nossa liberdade.

A liberdade de amar,

de expressar e criar.

 

Hoje perdi minha inocência,

meu trabalho foi parcialmente corrompido,

e por interesses alheios destorcidos.

Deixando meu coração em lágrimas,

partido, desiludido.

 

Há pessoas que promovem o bem,

cuidam de suas vidas e dos seus,

esta é uma dádiva dada por Deus.

 

Porém existem pessoas más,

pessoas que não medem consequências,

não respeitam divergências.

 

E hoje simplesmente choro.

Entro em meu ¨eu¨ em despedida.

Talvez esta seja minha carta de partida.

Não creio mais nos homens,

em suas ideologias sociais,

humanitárias e políticas.

 

Entristeci-me ver que…

A cultura hoje foi corrompida,

invadida, destruída.

 

E Amigos? …

Sei lá, são poucos…

 

Pois os verdadeiros?

São aqueles que nos respeitam,

são aqueles que não passam por cima de tudo,

ou de todos para alcançar seus desejos.

 

E hoje? …

 

Choro por perder a confiança na humanidade,

por conhecer a deslealdade

daqueles que um dia apertaram minhas mãos,

Aconselharam-me, abraçaram-me.

 

Sinto-me apunhalado pela invasão.

Sinto-me apunhalado pela desilusão.

Sinto-me apunhalado por aqueles que…

Um dia admirei, respeitei e abracei.

 

A cultura que foi desrespeitada,

se cala diante da falsidade,

como as partes de meu trabalho,

que se apaga para a humanidade.

 

E eu? …

 

Talvez parta para uma Odisseia solo,

onde minhas palavras e meus textos,

promova somente meus sonhos.

 

A aqueles que hoje destruíram estes sonhos,

talvez no amanhã lembrarão.

Que a vida é simplesmente uma passagem.

Pois exatamente aqueles que foram feridos,

um dia poderá ser aquele que lhe falta,

para você chamar de amigo.

 

 

leandrocampos

Leandro Campos Alves.

Livro Revelações.

Clube de Autores & Publique Saraiva.

Parceria Literária

Oração da partida.

 

Pai nosso que estais no mundo,

Pai de sabedoria, mansidão e salvação.

Não deixe o medo me corroer,

a sombra do mal me cobrir.

A sua luz de minha alma sumir.

 

Pai da salvação,

meu Sagrado Coração,

leve suas bênçãos a quem necessita,

neste momento de nossas vidas.

 

Pai da benevolência, da bondade e da criação.

Venho a ti pedir por nossa salvação.

 

Dai-nos suas bênçãos,

conforto e distinção.

Receba nossa família em suas mãos.

Cubra-nos com a sua misericórdia,

Senhor Onipotente Pai de toda criação.

 

Perdoe nossas blasfêmias,

retire-nos todas as nossas infâmias,

receba em seus braços toda alma sem distinção.

Cuide dos enfermos através desta oração.

 

Dai-nos força, fé e sabedoria,

para que no nascer de um novo dia,

possamos ser dignos de estarmos contigo.

 

Pai eterno que estais no mundo,

retire de nós a dor da perda,

receba esta oração,

neste momento de aflição.

 

Dai-nos a compreensão,

para discernir que a partida não é uma adeus,

mas sim, um até logo.

Para nos encontrarmos na morada de Deus.

 

Amém.

 

Oração revelada a Leandro Campos Alves.
pelo anjo Gabriel.
04 de Agosto de 2016.

Registro no E.D.A – Lançamento livro Revelações.

Apoio literário.

Daquilo Que Se Diz Sobre Tudo O Que Foi Dito

pintura-palhacos-w(Pintura: Ivo, Pedro)

Sobre a sombra de palavras que não querem dizer nada
Toda a compreensão é vasta, todo critério é correto
Só nos basta ter em mente manter fixo e discreto
O teor da opinião que por si só já é mais amada

Pois de fato um discurso nunca pode ser aberto
Já que não é permitido haver qualquer outra entrada
Sendo assim é bem mais sábio aquele que levanta a espada
Pois palavra é um escudo que nunca é usado certo

Então só vale-me dizer que o meu ditado nada diz
Pois que, se fosse diferente, morreria em seu valor
Levando sempre ao seu lado tudo o que com força eu fiz

Eis que por mais valia eu guardo em uma caixa de isopor
Cada palavra costumeira que não serve como atriz
E por fora eu resguardo paz, justiça e muito amor

– Denani, Daniel –

Minha História.

minha história

Se meus olhos um dia não verem mais a luz.

Se minha pele não transmitir mais o meu calor.

Se meu olfato não sentir mais o cheiro das manhãs.

Se um dia a luz ausentar-se de meu caminho.

Se minhas pronúncias se calarem para o mundo.




Hei de deixar minha história escrita em recordações.

E a minha existência imortal nas letras de meus versos.



Um dia neste mundo estarei ausente,

mas deixarei a todos como meu presente,

minha amizade sinceridade e o amor verdadeiro,

de um amigo leal e companheiro.



Minha vida pertencerá a Humanidade,

e em espírito estarei anunciando as bênçãos em versos,

boemias em estrofes.



E em espírito terei a confirmação

que construí muitos amigos,

conquistei muitos amores,

adquiri a paz e construí família.




Se um dia, este dia me faltar,

estarei com certeza intercedendo a Deus por vós,

o amor e a paz que sempre divulguei nos versos meus,

ao lado de nosso Deus.

 

Leandro Campos Alves

Livro de poemas e crônicas “Sonhos”

Clube de autores & Publique Saraiva

2016.

Foto: Imagens ilustrativa

 

images(Pintura: Dali, Salvado)

Prontidão!
Como o sol por sobre vales e montanhas
Reluzindo pela Terra as suas vagas façanhas
Sem sequer pensar em outra como a sua condição

Persistência!
Como flores de perfume que se matam no inverno
Sem pensar no que é volátil, sem pensar no que é eterno
Pois bem sabem que o futuro não exige obediência

Força e ação!
Como todas as montanhas de voz forte e imponente
Ao cortar o firmamento com sua força persistente
Sem sequer reconhecer o sangue dessa violação

Mas coerência…
Pois a nada conhecemos que não morra na verdade
E nem se perca no caráter mais sutil da própria idade
Que seja então um passarinho o que chama hoje ciência.

– Denani, Daniel –